A cultura portuguesa é verdadeiramente vocacionada para celebrar a alegria de viver, ainda que os estereótipos em torno do alegado fatalismo do fado digam o contrário.